Seis municípios com maior PIB em MT, arrecadaram juntos R$ 171 milhões em impostos

O Impostômetro da Fecomércio-MT aponta que os municípios mato-grossenses: Campos de Júlio (692km de Cuiabá); Santa Rita do Trivelato (354km de Cuiabá); Nova Ubiratã (491km de Cuiabá); Sapezal (499km de Cuiabá); Alto Araguaia (420km de Cuiabá) e Diamantino (183km de Cuiabá) juntos de 1º janeiro de 2019 até nesta sexta-feira (06), às 14h30, já pagaram R$ 171milhões em impostos. 

Nos 12 meses de 2018 os seis municípios arrecadaram cerca de R$ 372,387 mi em tributos.

As cidades estão entre os 50 maiores PIB per capita (Produto Interno Bruto por habitante) do Brasil, de acordo com o último censo do IBGE, de 2016.

Neste ano, o Impostômetro registrou que os contribuintes mato-grossenses pagaram cerca de R$ 22,692 bi em tributos, já a nível nacional R$ 1. 675 tri.

De janeiro a 06 de setembro deste ano, cada município arrecadou em imposto: Campos de Júlio R$46,19mi; Santa Rita do Trivelato R$18,30mi; Nova Ubiratã R$66,7mi; Sapezal R$12,41 mi, Alto Araguaia R$ 18,644mi e Diamantino R$10,725mi.

Investimento em presídios é fundamental para desmontar crime organizado

Os investimentos realizados no sistema penitenciário, como a aplicação de recursos para a conclusão, até o fim do ano, de uma penitenciária em Várzea Grande com vaga para 1.008 presos e um Centro de Detenção Provisória em Peixoto de Azevedo com 256 vagas para o primeiro semestre de 2020, são ações que devem desafogar o sistema penitenciário em Mato Grosso.

Durante visita ao Centro de Detenção Provisória de Pontes e Lacerda (443 km a Oeste) na quinta-feira (05.09), o supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Penitenciário (GMF), desembargador Orlando Perri, destacou que o governo de Mato Grosso ainda precisa fazer mais pela área, pois o orçamento para o setor não é suficiente para investimentos necessários, em razão dos limites da Lei do Teto de Gastos e da situação financeira do estado de Mato Grosso.

Contudo, ele elogiou a ação na Penitenciária Central do Estado, com reforma, limpeza e a organização da unidade. “A gente percebe que o Estado tem tomado outra postura nesta gestão, mas já nos reunimos duas vezes com o governador Mauro Mendes temos pedido para que se invista mais”, destacou Perri.