Tangará da Serra é afetada com mais uma alta dos combustíveis

Nessa oportunidade somente o diesel e a gasolina foram reajustados

Nos últimos dias, as falas que o povo brasileiro mais tem ouvido é que passamos por uma crise, e que deve-se economizar, “cortar na carne”, não se sabendo em que carne. Mas o que se tem notado é que é na carne do povo, pois o governo em momento algum tem demonstrado que vai cortar algo.
Prova disso é que a partir da meia noite de ontem os donos de veículos estão pagando mais caro no diesel e na gasolina, sendo que este teve aumento de 6% e aquele de 4%.

Segundo os proprietários de postos de combustíveis, eles não foram avisados dos reajustes, sendo pegos de surpresa, tanto quanto os consumidores. “Todos os dias entramos em um site, e ali somos informados dos valores, mas dessa vez só ficamos sabendo do aumento na hora de realizar a compra para reposição dos combustíveis”, comentou um proprietário, se mostrando indignado com o ocorrido.

Nessa oportunidade somente o diesel e a gasolina foram reajustados, mas diante do exposto, o álcool em breve também terá seu preço acrescido, impactando ainda mais as finanças dos tangaraenses.
Em Tangará da Serra, os valores de combustíveis variavam entre 3,53 para a gasolina, subindo a partir de ontem para 3,75, já o diesel que variava entre 3,29 hoje custa 3,41.

Outros aumentos ocorrerão ainda esse ano

A medida foi divulgada como ato do Cotepe/PMPF nº 18, e segundo os proprietários de postos de combustíveis todos os indicadores apontam para a possibilidade de novo aumento até o final do ano.
Além de Mato Grosso, outros 14 estados foram atingidos com o novo índice da tabela do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

A medida já tem causado alvoroço e indignação entre os consumidores, que tem se valido das redes sociais para demonstrar toda sua indignação.

“Daqui a pouco aparece um pra defender o governo, dizendo que faz um governo para o povo e tal...mas, essa pessoa esquece que o preço dos combustíveis influenciam em TUDO O QUE É CONSUMIDO NO BRASIL”, desabafou um cidadão indignado.

Fonte: Rosi Oliveira - Redação DS

Câmara aprova Lei de Diretrizes Orçamentárias com três emendas

Os parlamentares tangaraenses votaram esta semana a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). O Projeto de Lei 85/2015 dispõe sobre as diretrizes, metas e prioridades da administração pública municipal, incluindo as despesas de capital, orientando a elaboração da lei orçamentária e dispondo sobre as alterações na legislação tributária, para o exercício financeiro de 2016. A lei, que orienta como deve ser feito o orçamento, foi votada em primeiro turno na 33ª sessão ordinária e em segunda discussão na 9ª sessão extraordinária, ambas realizadas na terça-feira, dia 29.

A LDO 2016, com seus 66 artigos, foi aprovada na Câmara com três emendas. O vereador professor Vagner (PSDB) apresentou proposta de emenda ao parágrafo 3º do artigo 2º do projeto, que autorizava o Poder Executivo a abrir crédito suplementar, durante a execução do orçamento, até o limite de 12%. Na emenda, o vereador propôs que o limite fosse reduzido para 2% - o que foi aprovado por 6 votos a 5, em plenário.

Luiz Henrique Barbosa Matias (PTB) criticou o artigo 24 do projeto, que autorizava o Poder Executivo a realizar remanejamento de dotação orçamentária de despesas de pessoal através de abertura de crédito especial por decreto. O vice-presidente da Câmara apresentou emenda propondo a supressão do artigo 24, que foi aprovada por 7 votos a 4.

Sílvio Sommavilla (PV) defendeu alteração do artigo 49, que autorizava o Poder Executivo a realizar operações de créditos até o limite fixado por resoluções do Senado Federal. Em emenda, Sommavilla propôs que ao artigo fosse acrescentada a expressão “mediante autorização legislativa”, o que foi aprovado em plenário por 8 votos à 3.

ORÇAMENTO - Com o fim da votação da LDO, a Câmara Municipal começa agora a discutir o projeto de lei do Orçamento Anual para 2016. Protocolado esta semana no Legislativo, o Projeto 145/2015 é um documento robusto que, com seus anexos e demonstrativos, conta 267 páginas.

Marcos Figueiró 
Assessoria de Imprensa