UNEMAT faz Seletivo com vagas para Tangará da Serra

A Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) está com as inscrições abertas para um processo seletivo que visa contratar 112 profissionais técnicos da educação superior e formação de cadastro de reserva. Com salários que vão de R$ 1,9 mil a R$ 6,1 mil, o seletivo recebe inscrições até 20 de maio pelo site da instituição www.unemat.br/seletivos.

Há vagas para pessoas com nível fundamental, médio, médio técnico e ensino superior. Além do campus de Tangará da Serra, os selecionados poderão atuar nos campus de Alta Floresta, Alto Araguaia, Barra do Bugres, Cáceres, Colíder, Diamantino, Juara, Médio Araguaia, Nova Mutum, Nova Xavantina, Pontes e Lacerda e Sinop.

Para a função de motorista que exige apenas nível fundamental e salário de R$ 1,9 mil são 12 vagas. Outras 74 oportunidades, com remuneração de R$3,2 mil, são para agentes universitários.

As opções para nível médio técnico com salário de R$ 3,7 mil são nas áreas de técnico em laboratório com 9 vagas, outras 5 para técnico em informática, mais 3 para técnico em enfermagem, outras 3 vagas para técnico agrícola e uma vaga para técnico agropecuário.

Por fim, as especialidades que exigem nível superior, são destinadas para psicólogos (3 vagas), engenheiro eletricista (1 vaga) e engenheiro civil (1 vaga).

As inscrições estão abertas desde 19 de abril a 20 de maio, somente via internet. O valor da taxa é de R$ 100 para cargos de nível superior, R$ 80 para nível médio e médio técnico e R$ 50 para nível fundamental, pago até o dia 21 de maio.

No ato da inscrição o candidato deverá preencher o requerimento de inscrição, informando a opção de cargo, especialidade, campus, vaga a que pretende concorrer e a opção do local onde deseja realizar as provas.

O processo seletivo será realizado em uma única etapa, no dia 24 de junho.

Assessoria

MT é o primeiro estado do Brasil a realizar licitação em RDC após decisão do STF

Visando assegurar uma maior agilidade, qualidade e economia de recursos na realização de obras públicas, o Estado de Mato Grosso é o primeiro do Brasil a fazer uma licitação utilizando o Regime Diferenciado de Contratação (RDC) para ações ligadas à melhoria da mobilidade urbana e infraestrutura logística, após a recente decisão do Supremo Tribunal Federal autorizando esta modalidade de certame.

Com a decisão do STF, o Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), está realizando a licitação para contratação de empresa que construirá duas pontes de concreto de 36 metros sobre o Ribeirão do Lipa na rodovia Helder Cândia (Estrada da Guia / MT-010), no trecho que está sendo duplicado.

A licitação está sendo realizada por Regime Diferenciado de Contratação Presencial (RDC Presencial). A empresa Geoserv foi classificada como melhor proposta, apresentando o valor de R$ 3.742.500 milhões, sendo 16,50% mais em conta do valor estipulado pela Sinfra de R$ 4.482.747 milhões.

As pontes serão construídas no trecho de duplicação de 4,9 km da Estrada da Guia, que deverá ser concluída no final de 2018. A rodovia MT-010 terá pista duplicada, com ciclovia ao centro. A obra conta com investimentos de mais de R$ 30 milhões, em recursos da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide).

Após a decisão, a Sinfra comunicou a promotora Audrey Thomaz Ility, do Ministério Público Estadual (MPE), que entendeu que com a autorização do STF, que havia suspendido a eficácia dos incs. VIII e IX do art. 1º da Lei do RDC, incluída pela Lei Ordinária nº 13.190/2015, nos autos do Mandado de Segurança nº 33.889/DF, em novembro de 2015, não haveria problema em manter a licitação feita por RDC.

“Estive em uma reunião junto com os procuradores da PGE no Ministério Público Estadual falando da nova decisão do Ministro Barroso que autoriza o RDC. Nesta licitação das duas pontes sobre o Ribeirão do Lipa, além da agilidade na obra o valor da economia será de 17%”, disse o secretário da Sinfra, Marcelo Duarte.

A procuradora-geral do Estado (PGE), Gabriela Novis Neves, afirmou que a escolha pelo Regime Diferenciado do Contratação (RDC) é uma decisão do gestor, pois o instrumento alternativo de licitação é permitido por lei.

RDC

De acordo com o Governo Federal, o RDC consiste em um novo regime licitatório, que tem por objetivo tornar as licitações do Poder Público mais eficientes, promover a troca de experiências e tecnologia e incentivar a inovação tecnológica, sem prejudicar a transparência e o acompanhamento do processo licitatório pelos órgãos reguladores.

Uma licitação que demora cerca de 250 dias de concorrência no modelo tradicional, com o RDC, o prazo é encurtado entre 60 e 90 dias da data de publicação do edital até a homologação. A mudança no processo representa agilidade e economia.

Decisão do STF

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, decidiu voltar atrás da decisão de suspender incisos do RDC e o Regime pode voltar a ser utilizado em obras de mobilidade urbana e infraestrutura logística. Outra importante possibilidade foi a retomada da possibilidade de a Administração firmar contratos de locação de bens móveis ou imóveis por meio de dispensa ou inexigibilidade de licitação.

Fonte: Betell Fontes | Sinfra-MT