Prefeitos adotam medidas de contenção para fechar as contas

As despesas extras do final do ano acendem o sinal de alerta para prefeitos de vários municípios, principalmente dos que possuem uma dependência maior de transferências constitucionais para fechar as contas. Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, na AMM, alguns prefeitos falaram sobre as medidas adotadas para equilibrar as contas e honrar os compromissos. Os gestores disseram que estavam contando com o pagamento do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações - Fex para fechar o ano.

“Dependemos do Fex e de outras conquistas”, disse o prefeito de Pedra Preta, Juvenal Brito, que durante sua gestão reduziu o número de secretarias, diminuiu salários, e adotou outras medidas para não deixar atrasar a folha de pagamento.

O prefeito de Araguainha, Silvio José de Morais Filho, disse a estimativa do orçamento era de R$ 13 milhões, mas o município vai arrecadar pouco mais de R$ 10 milhões. “Em novembro fizemos um decreto de limitação de empenho e estabelecemos recesso até 7 de janeiro para diminuir as despesas”, afirmou.

O prefeito de Campinápolis, Jeovan Faria, que está no segundo mandato, também ressaltou a importância do Fex para o equilíbrio das contas municipais. “No início da nossa gestão, em 2013, não conseguíamos pagar salário no dia 30, tivemos que cortar horas extras em alguns anos e demitir. Agora, que estamos no segundo mandato, estamos controlando um pouco melhor, mas contamos com recursos do Fex para fechar as contas em dia”, frisou.

A prefeita de São Félix do Araguaia, Janailza Taveira, também destacou a importância do Fex para os municípios e a necessidade de ampliar a atuação em Brasília para garantir novas conquistas para os municípios.

Fonte: Agência de Notícias da AMM

Governo injeta R$ 525 milhões com 13º salário dos servidores

Valor será quitado de forma integral a todos os servidores, aposentados e pensionistas

O Governo de Mato Grosso libera nesta sexta-feira (20.12) o 13º salário integral dos servidores públicos ativos, inativos, comissionados e pensionistas. As ordens de pagamento foram encaminhadas ao Banco do Brasil para depósito nas contas na quinta-feira (19.12). O pagamento líquido soma R$ 525.106.715,78.

O pagamento numa só parcela foi o compromisso assumido pelo governador Mauro Mendes nos primeiros dias de seu mandato, em janeiro passado. Anteriormente, os servidores efetivos recebiam o 13º salário no mês posterior ao do seu aniversário. A alteração foi efetivada como uma das medidas para diminuir os impactos da crise financeira instalada no Estado.

Recentemente, em encontro com a imprensa e o primeiro escalão do Governo, Mauro Mendes explicou que o pagamento do salário de dezembro e o décimo terceiro em um prazo de 10 dias (entre 10 e 20 de dezembro), demandou muito trabalho de planejamento e estratégia ao longo do ano.

“Tivemos ações para economizar cada centavo do dinheiro público nos últimos meses não só para pagar corretamente os servidores, mas para reiniciar mais de uma centena de obras na infraestrutura, mais de 80 obras na educação, colocar em dia o pagamento na saúde, investir em hospitais como a Santa Casa. É também um trabalho de parceria com nossos municípios”, afirmou o governador.