Eleições em Mato Grosso irão custar quase R$20 milhões esse ano

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) fez sua prestação de contas nesta sexta-feira (05.10) sobre as Eleições 2018. Incluindo primeiro e segundo turno (no caso de sua existência), serão investidos R$ 19,8 milhões, o que representa que um gasto de R$ 8,52 por eleitor. O montante é menor que o desembolsado em 2014 (últimas eleições gerais), quando foram gastos R$ 20,7 milhões, ou, R$ 9,47 por eleitor.

“Temos atuado com clareza e transparência em todos os sentidos do TRE. Cobramos o mesmo dos candidatos e eleitores. O maior crime eleitoral ainda é a compra e venda de voto. O eleitor que vende o voto está cometendo um crime, pode ser preso, além de estar fazendo um mal gigantesco ao país. São eleitores que estão contribuindo com a eleição de péssimos políticos, e depois não adianta reclamar que não há investimentos em saúde, educação e segurança”, destacou o presidente do TRE-MT, desembargador Márcio Vidal.

No domingo (07.10), Mato grosso terá 2,33 milhão de eleitores aptos a votar nos 141 municípios. São 57 Zonas Eleitorais e 1.497 locais de votação. Do total de eleitores, 1,14 milhão já cadastraram seus dados biométricos. São 32 municípios que a eleição será exclusivamente biométrica, como Sinop, e 10 municípios com eleição híbrida, onde votam eleitores via biometria, e também os que ainda não fizeram este cadastro. Este é o caso de Cuiabá e Várzea Grande.

“Nós conseguimos cadastrar biometricamente aproximadamente 50% da população de Mato Grosso. No caso de Cuiabá e Várzea Grande, a biometria foi suspensa, mas a partir de 05 de novembro ela retorna. Na próxima eleição, quem não tiver se cadastrado terá o título cancelado”, adiantou o vice-presidente e corregedor do TRE, desembargador Pedro Sakamoto.

Sobre a logística do dia da eleição, o diretor geral do TRE, Nilson Bezerra, explicou que 49,8 mil pessoas vão trabalhar para garantir a votação. “Quem faz a eleição é a população de Mato Grosso, a gigantesca maioria se voluntaria para trabalhar no pleito. Teremos 44,8 mil mesários e colaborares, 4,3 mil agentes de segurança, e apenas 504 servidores eleitorais. Esta é a maior operação logística de Mato Grosso, tudo para garantir a realização do pleito e consequente apuração no mesmo dia, tudo para que o nosso Estado amanheça sabendo o resultado da eleição”.

Detalhando o processo de transmissão de votos da urna eletrônica até a apuração total na sede do TRE, a Justiça Eleitoral utilizará tres meios de transmissão. Na maioria das urnas, a mídia de resultados é levada fisicamente do local de votação até a sede do cartório, onde os dados são transmitidos via fibra ótica até o tribunal, em 408 locais a transmissão será feita via internet pelo sistema JE connect, e em 102 locais, por satélite.

“No sistema JE Connect o computador é iniciado diretamente pela mídia móvel da Justiça Eleitoral, ou seja, não tem ligação com os arquivos da máquina local. É criado um túnel proxy entre o local de transmissão e a Justiça Eleitoral, garantindo que os dados cheguem seguramente ao TRE. Cabe destacar que este processo é todo auditável, uma vez que a urna emite o relatório de votos ao encerrar o pleito, e este é fixado publicamente”, ressaltou o secretário de Tecnologia de Informação do TRE, e um dos desenvolvedores nacionais do sistema, Luis Cézar Darienzo. Fizemos um movimento nesta direção e vamos avançar mais em 2020 – avalia o Diretor Executivo de Gestão e presidente eleito da CBF, Rogério Caboclo.

Fonte: Redação AGORA MATO GROSSO com TRE-MT

Justiça Eleitoral está pronta para eleições de domingo

As urnas já encontram-se devidamente lacradas

Faltando dois dias para as eleições gerais desse ano, o cartório da 19ª Zona Eleitoral de Tangará da Serra já concluiu todo o trabalho de logística e treinamento para que os eleitores possam escolher os representantes políticos dos próximos quatro anos. Para este pleito, 1200 pessoas que trabalharão voluntariamente foram treinadas pela Justiça Eleitoral e estão prontos para receberem os eleitores aptos a votarem em Tangará da Serra.

De acordo com o chefe da 19º Zona Eleitoral de Tangará, Gustavo Romko, todas as urnas já encontram-se lotadas na cidade e devidamente lacradas. “Encerramos toda parte logística e planejamento das seções e locais de votação. Os testes já foram realizados nas urnas, estando tudo pronto para domingo”, relatou Romko, destacando que todo o planejamento da segurança já foi definido, possuindo a coordenação do Gabinete de Gestão Integrada (GGI) do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE- MT). “Houve planejamento com todas as forças da segurança. Houve treinamento específico sobre legislação eleitoral, abordando como as forças da segurança devem agir para coibir os crimes eleitorais”, disse o responsável, informando ainda que o Exército Brasileiro fará a segurança nos locais de votação pertencentes a aldeias indígenas.

Assim como nos pleitos anteriores, nesse ano a Justiça Eleitoral disponibilizará transporte para eleitores da zona rural, observando algumas regras estabelecidas pela legislação. “Todos os veículos que farão esse trabalho terão identificação da Justiça Eleitoral com assinatura da juíza eleitoral. Os demais veículos que transitarem no dia das eleições devem transportar somente familiares e pessoas que residam na casa de origem do veículo”, alertou Gustavo. Para esse pleito, Tangará da Serra terá 207 seções eleitorais, divididas em 33 locais de votação.

Fonte: Rodrigo Soares - Redação DS

Casa Lar será novo formato de Instituição em 2019

Capacitação já acontece desde 2015

Já realidade em muitas cidades do Mato Grosso, inclusive em Lucas do Rio Verde, o projeto Casa Lar deverá em breve chegar a Tangará da Serra. Tendo como pioneira a Casa do Adolescente que trabalha o acolhimento institucional e o acolhimento familiar de forma provisória e excepcional, como forma de transição para reintegração familiar ou, não sendo esta possível, para colocação em família substituta. 

Já o projeto Casa Lar é um Serviço de Acolhimento provisório oferecido em unidades residenciais, nas quais pelo menos uma pessoa ou casal trabalha como cuidador residente – em uma casa que não é a sua – prestando cuidados a um grupo de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva de abrigo, em função de abandono ou cujas famílias ou responsáveis encontrem-se temporariamente impossibilitados de cumprir sua função de cuidado e proteção.

Segundo o secretário de Assistência Social de Tangará da Serra Aguinaldo Garrido o estudo e capacitação já acontece desde 2015 e em breve deverá se tornar realidade.

“Na quarta-feira conforme acordado com as presidentes tanto da Casa da Criança e do Adolescente, nós fizemos a reunião para as orientações finais para sairmos de abrigo para Casa Lar. Então a partir de agora nós encaminharemos ao Ministério Público e ao Juizado um cronograma dessa alteração. A Casa do Adolescente sai na frente mais uma vez, nessa causa de avançar, mas creio que a Casa da Criança também já está se organizando para que em breve isso também ocorra ali”, revelou o secretário.

Presente a reunião a presidente da Casa do adolescente, Luciana Simoneti exaltou a nova proposta e acha que a mesma será imensamente válida e viável. “Será muito bom para as crianças que terão uma referência de família mesmo. Ali teremos um casal que decidirá sobre tudo com eles e não haverá várias pessoas dizendo que sim ou que não, eles terão um modelo de círculo familiar”, destacou.

A mudança deverá ocorrer provavelmente já em fevereiro de 2019.

Tangará se destaca com R$ 207 mil em arrecadação

Assim como tem acontecido por vários anos, inclusive consecutivos, Tangará da Serra teve uma das maiores arrecadações de doações aos Fundos Municipais da Criança e do Adolescente deste ano.

Esse ano, com expressivos R$ 207 mil, ficou em segundo lugar, perdendo pela primeira vez em muitos anos para a capital do estado.

Para o secretário de Assistência Social de Tangará da Serra Aguinaldo Garrido esse é um motivo de alegria e satisfação, pois tal atitude demonstra a boa vontade dos empresários em contribuir com os serviços desenvolvidos. “Esse ano nós ficamos em segundo lugar, mas para nós isso é um presente, perder para a capital, muito maior que nós que já ganhamos inúmeras vezes”, frisou Aguinaldo. “Ter uma cidade como Várzea Grande que arrecadou 13 mil reais, significa que o fundo lá não tem expressão e nós aqui mantivemos a nossa média e em tempos de crise como esta é uma quantia considerável que engrossa o caldo do conselho parta a gente ampliar mais políticas públicas da criança”, pontuou. 53 municípios conseguiram arrecadar R$ 1,7 milhão em doações de pessoas físicas, que foram descontadas na declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF). Os recursos serão destinados para a aplicação em projetos sociais voltados para a criança e o adolescente das prefeituras e das entidades cadastradas no conselho municipal.

Cuiabá lidera com R$330 mil arrecadados. Em segundo está Tangará da Serra com R$ 207 mil, em terceiro Sorriso com R$ 147 mil, em quarto Sinop com R$ 120 mil. Primavera do Leste aparece em seguida com R$ 114 mil, Lucas do Rio Verde teve destinados R$ 89 mil, Campo Novo dos Parecis R$ 72 mil e Diamantino R$ 69 mil.

Fonte: Rosi Oliveira - Redação DS